domingo, 18 de setembro de 2011

Entrego-te-a-ei contas de rosário secas


Entrego-te-a-ei contas de rosário secas


Tua natureza meio despida despe minha quietude

Excita um ensaio de plenitude


Entregue às imagens sacio

Com as gotas picantes o cio


Curso a sedução sobre sua pele

Sem pressa reverencio a camisola

Não importo com os ponteiros, faço-me hora


Sua meia 7/8 em meus tatos me lança de joelhos

Entrevejo


Pauso por engano, julgo-me profano

Constato que as nuvens em minhas mãos

Eram frutos de ilusão


Entrego-te-a-ei contas de rosário secas

Sem receios que nu perca

Os gélidos respeitos


Os lábios em seus seios

Eis o que no instante desejo


Minimamente entre beijos

Encontrar acolhida em seu umbigo


Alçar vôos de beija-flor

Pousar no verbo


Ouvir soltos


Mur-mú-ri-os


Entre coxas o néctar

Sentir pulsar


No oceânico

Gozar

Ir a-mar

Adentro

Não mais bento


Mineirim das Gerais

18/09/2011

00:31

2 comentários:

nani rangel disse...

Parabéns!!! muito bom...adorei..bjux

Wellington Bernardino Parreiras disse...

Nani,

muito obrigado.
bj